Placas vibratórias proporcionam produtividade à compactação de solos

As placas vibratórias, também conhecidas como compactadores de placa, são equipamentos necessários na construção e em reparos de vias e calçamentos, indicados principalmente para compactar solos granulares soltos e pedras de pavimentação.

Essas máquinas são produzidas pela indústria em versões variadas, desde modelos leves, com pouco mais de 50 quilos, até os mais pesados, com mais de 800 quilos. Também são disponibilizadas com motores elétricos ou movidos a gasolina ou diesel. Alguns equipamentos podem dispor de tanque de água opcional e sistema aspersor para aplicações em asfalto.

As placas vibratórias têm utilidade na compactação de areia, cascalho, asfalto, concreto úmido e pavimentos intertravados. Podem ser usadas, ainda, para evitar sedimentação e criar uma base firme para a colocação de pisos, instalação de tubulação de gás e água, bem como em serviços de aterramento de cabos.

UNIDIRECIONAL OU REVERSÍVEL?

As placas vibratórias podem ser do tipo unidirecional ou reversível. De acordo com Marcos Vinicius Soares, gestor comercial na Vibromak, a escolha entre um modelo ou outro deve se dar em função do terreno aonde será realizada a compactação.

De modo geral, as placas reversíveis são opção para obras onde não é possível virar a placa unidirecional

Reginaldo Martins

Enquanto a placa unidirecional é indicada para uso em compactações de até 30 cm de profundidade e de terrenos planos, as reversíveis são mais pesadas e indicadas para compactações mais profundas e em terrenos de aclives acentuados, situações nas quais o operador da máquina não consegue controlar o equipamento sem ajuda do sistema reversão. “De modo geral, as placas reversíveis são opção para obras onde não é possível virar a placa unidirecional”, resume Reginaldo Martins, instrutor técnico da Casa do Construtor.

EQUIPAMENTOS ROBUSTOS

As placas vibratórias são totalmente mecânicas. Diferentemente do que aconteceu com outros equipamentos, a evolução pela qual essas máquinas passaram não se deu com a incorporação de sistemas eletrônicos.

O que temos visto é uma busca por componentes mais resistentes, capazes de garantir mais rendimento e menos quebras, com destaque para as máquinas produzidas com base em aço fundido

Marcos Vinicius Soares

“O que temos visto é uma busca por componentes mais resistentes, capazes de garantir mais rendimento e menos quebras, com destaque para as máquinas produzidas com base em aço fundido”, diz Soares. “Nos últimos anos, houve pouca evolução, com exceção da introdução de recursos, como o sensor do nível de óleo”, complementa Martins.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

Na hora de escolher uma placa vibratória para compra ou locação, deve-se prestar atenção naergonomia. Isso porque os modelos disponíveis variam muito nesse quesito, capaz de impactar fortemente a produtividade no canteiro. Também vale observar a manutenção preventiva indicada pelo fabricante. Há placas que, em função de seu design e matérias-primas empregadas, apresentam intervalos de manutenção mais longos.

Os equipamentos podem ter desempenhos variados em relação ao consumo de combustível, capacidade de operar em rampas e velocidade de avanço (medida em metros/minuto). Por isso, uma dica importante para quem busca placas vibratórias é observar com atenção as especificações técnicas.

CUIDADOS NA OPERAÇÃO

Os fabricantes de placas vibratórias fazem uma série de recomendações para assegurar vida longa a esses equipamentos, menos interrupções para manutenções e um trabalho mais seguro. Uma delas é desligar o motor durante as trocas de terreno. Tal cuidado evita trinca em bases que estão em alta temperatura. Também é importante utilizar rodas de transporte para evitar danos excessivos à base e menos desgaste físico do operador.

Com relação à segurança dos operadores, vale frisar a importância de jamais trabalhar com placas movidas a motores de combustão em lugares fechados. “Além disso, como o trabalho é feito com vibrações, recomendamos que haja interrupções periódicas para que o operador não sofra consequências com as vibrações”, destaca Soares.

Reginaldo Martins, da Casa do Construtor, lista outros cuidados para os operadores no manuseio de placas vibratórias:

• Antes de iniciar a operação, verifique os níveis de óleo do motor e do combustível.
• Abra a torneira do combustível e ajuste o interruptor do motor para a posição ligado. Se o motor estiver frio, ligue o afogador para injetar combustível no carburador. À medida que o motor aquece, reajuste o afogador.
• No início e durante a compactação, trabalhe com aceleração total.
• Nunca coloque o motor em funcionamento sem filtro de ar.
• O reabastecimento de combustível deve ser feito somente com o motor desligado.
• Observe o tipo de solo a ser compactado.
• Limpe o filtro de ar a cada turno de trabalho.

Fonte: Portal dos Equipamentos